RESULTADOS E PERSPECTIVAS

O INCT-CENBAM vem inovando nos estudos da biodiversidade amazônica em todos os níveis do conhecimento. Foram instaladas 111 parcelas permanentes para levantamentos da biodiversidade em 11 sítios de pesquisa de longa duração, além de outras infra estruturas de campo disponibilizadas para permitir estudos da biodiversidade em áreas remotas da Amazônia.

As coleções biológicas receberam infra estrutura e tecnologia de informação. Houve um grande incremento de material. A coleção de ácaros, por exemplo, ultrapassa 12 mil exemplares; Há cerca de 100 espécimes de mamíferos depositados e taxidermizados na coleção do INPA e mais de 1018 exsicatas depositadas nos herbários do INPA e da UFRR.

Para consolidar e disponibilizar informações oriundas de levantamentos biológicos na Amazônia para diversos setores da sociedade, os dados e metadados vêm sendo armazenados em um repositório de dados de livre acesso.

Essas ações estão integradas com iniciativas nacionais, como o PPBio e SIBBr, e internacionais, como o RAINFOR, ATDN, GIVD, KNB e Data One.

Organismos com potenciais usos medicinais e econômicos estão sendo testados. Por exemplo, um alcaloide da planta Duroia macrophylla deu atividades sobre células tumorais de Leucemia humana, Adenocarcinoma gástrico (câncer de estômago) e Melanoma (câncer de pele), e uma patente foi submetida.

O INCT-CENBAM realizou 58 cursos, com mais de 750 participantes, incluindo funcionários de agências ambientais, professores e estudantes universitários, técnicos de empresas privadas e moradores de comunidades locais. Mais de 57 alunos elaboraram ou estão elaborando suas monografias, dissertações e teses dentro do programa. Foram produzidos oito vídeos de monitoramento de grupos alvos para auxiliar pesquisadores e gestores ambientais nas técnicas de amostragem e monitoramento da biodiversidade. O sistema de monitoramento da biodiversidade foi adotado como padrão por agências nacionais, como IBAMA e SFB, e designado como padrão no "The Rainforest Standard", lançado na Rio+20 para monitoramento da biodiversidade em projetos REDD+. O CENBAM faz parte de redes internacionais, como GEO Bon e EU Bon.