SOBRE

Agregar, de forma articulada, os melhores grupos de pesquisa na fronteira da ciência e em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do país; impulsionar a pesquisa científica básica e fundamental competitiva internacionalmente; estimular o desenvolvimento de pesquisa científica e tecnológica de ponta associada a aplicações para promover a inovação e o espírito empreendedor. 

Essa é concepção do Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia, os INCTs, levando-se em conta os pilares que o consolidaram como um dos programas mais importantes para a ciência brasileira:

  • Formação de redes de pesquisa;
  • Consolidação de parcerias institucionais;
  • Abordagem multidisciplinar em temas estratégicos para o país;
  • Formação e capacitação de recursos humanos altamente qualificados; e
  • Investimento a longo prazo.

A organização de redes proporciona a consolidação dos grupos de pesquisa, o intercâmbio de conhecimentos e a ampla abrangência do programa, fomentando a pesquisa de norte a sul do país. Dentre as parcerias, destaca-se a capacidade de mobilização dos principais agentes de promoção do desenvolvimento científico e tecnológico no Brasil, uma vez que, além do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e do CNPq, participam a CAPES e as Fundações de Amparo à Pesquisa Estaduais, além de cooperações internacionais.

PARCERIAS

Já foram estabelecidas 1.835 parcerias nacionais e 1.302 internacionais, incluindo 515 cooperações com empresas brasileiras e 139 estrangeiras. E países como Alemanha e o Reino Unido, por meio do Fundo Newton, já demonstraram interesse concreto de intensificar as parcerias.

O Programa também visa atender a políticas públicas do Governo Federal, não só pela Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação, mas da mesma forma outras políticas públicas, como: o Plano Brasil Maior, o Plano Nacional de Educação, o Plano Nacional da Saúde, a Agenda Nacional de Prioridades de Pesquisa em Saúde e a Política Nacional para o Agronegócio.

Tudo isso para o desenvolvimento de pesquisas em temas como saúde, ecologia e meio ambiente, engenharia, tecnologia da informação, energia, nanotecnologia, políticas públicas, entre outros.

Quanto à capacitação de recursos humanos, os INCTs promoveram, desde 2008, a formação de milhares de mestres, doutores e pós-doutores, contribuindo para o incremento da massa crítica na área de pesquisa no Brasil.

Desde sua criação, em 2008, já foram três edições lançadas:

CHAMADA INCT - MCTI/CNPq/CAPES/FAPs nº 16/2014: 341 propostas submetidas, 253 propostas com mérito reconhecido e 102 projetos contratados.

Edital MCT/CNPq/FNDCT Nº 71/2010 - Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia em Ciências do Mar: 5 propostas submetidas e 3 projetos contratados.

Edital MCT/CNPq/FNDCT/CAPES/FAPEMIG/FAPERJ/FAPESP N º 015/2008 - Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia: 261 propostas submetidas e 122 projetos contratados.

*As demais ficaram aptas para solicitar o Selo INCT, que reconhece a excelência do projeto e as credenciam para solicitar aporte de recursos de outras entidades. 

Com tudo isso, o Governo Federal promove o incremento nos padrões de excelência e produtividade da ciência e tecnologia brasileiras; aprimora a inserção no cenário internacional e a transferência de conhecimento para o setor empresarial e para a sociedade; promove a participação mais equilibrada das diferentes regiões do país no esforço produtivo; e gera riqueza e melhoria de qualidade de vida dos brasileiros.